sexta-feira, 19 de março de 2010

* Águas fundas em mim *


quisera falar de coisas amenas
com palavras que bóiam em águas serenas
Todavia, já saltei do trampolim
o mergulho foi inevitável
palavras nadam nas águas fundas em mim
transitam pelas avenidas da mente
não descansam , não ficam dormentes
agitam-se como folhas tremulando ao vento
cobrem o fecundo chão do pensamento
Escrever não é para mim tormento
é indizível prazer
licoroso momento
Úrsula Avner
* imagem do google

6 comentários:

  1. Bela forma de descrever o fazer poético.

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Oieee
    Vim trazer um presentinho para o seu Blog !
    http://lh3.ggpht.com/_o3F2UqkmZUQ/S6J_0J2UAhI/AAAAAAAAH9A/jyxrDq_q6xc/s400/0_%20Selin%20RM.JPG
    Espero que goste!
    Beijos meus...
    Renata Mangeon

    ResponderExcluir
  3. Ùrsula

    Escrever é um licoroso momento...


    Que liiiiinda descrição de como fazes a tua poesia... a gente percebe, amiga!
    Tuas palavras carregam esta emoção: sorriem, choram, questionam, surpreendem...


    Linda semana, cheia de inspiração!
    Bjão

    ResponderExcluir
  4. Ursula,vc salta mesmo do trampolim,sem medo e compõem belíssimos versos que vem de tua alma!Bjs,

    ResponderExcluir
  5. Pôxa.Acabei de falar pra Lou. E repito: parabéns por valorizar a escrita, a arte de escrever. Realmente um prazer indizível, sublime. Quando escrevo, sinto que levito. Parabéns. Beijos

    ResponderExcluir
  6. Lindo seu blog,amiga parabéns
    Beijão

    ResponderExcluir